Instituto Unibanco

Instituto Unibanco

Projeto Jovem Cientista (Instituto Unibanco/Itaú) 

Jovem Cientista

19

Com uma abordagem interdisciplinar, essa metodologia* visa despertar no aluno o interesse pelo aprendizado de ciências. Seu material de aplicação reúne sugestões e referências para a definição de temas e atividades que implicam a interação e a articulação de conteúdos de diversas disciplinas, como Física, Química, Biologia, Matemática e Língua Portuguesa.

Para facilitar a implantação pelas escolas interessadas, todos os conteúdos ligados ao Jovem Cientista estão consolidados em um caderno único de aplicação, com propostas de atividades específicas e exemplos de planos de aula.

O Instituto oferece aos educadores capacitação prévia e a possibilidade de suporte a distância.

Para saber mais, acesse: Salas Inteligentes

Conheça um programa realizado pelos estudantes, clicando aqui.

Escolas Inteligentes

Escolas Inteligentes

14

Entre os anos de 1996 e 2006 foram realizadas pesquisas educacionais e de base tecnológica que, dentre outros desdobramentos, resultaram na concepção das chamadas Salas Inteligentes (CARVALHO NETO, 2006).

https://www.youtube.com/watch?v=TUOd5549-Ek

Foram realizados alguns pilotos experimentais durante aproximadamente 6 anos e, posteriormente a 2008, Salas Inteligentes foram implementadas, dentre elas:

Jornal Zero Hora/Porto Alegre – RS: referência

Instituto Unibanco, Projeto Jovem Cientista: referência 

Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA): referência

CARVALHO NETO, C. Z. Sala Inteligente: patente depositada no INPI. Acesse mais informações. INPI, 2009.

Curadoria especializada: educa4

As bases conceituais e tecnológicas das Salas Inteligentes, com fundamento científico, encontram-se na Dissertação de Mestrado “Espaços ciberarquitetônicos e a integração de mídias por meio de técnicas derivadas de tecnologias dedicadas à educação” (CARVALHO NETO, C. Z.) Para acessar o documento completo, clique no link. CARVALHO_NETO_C_Z_Mestrado_Dissertação_UFSC

Em 2006 foi elaborado um documento pelo Instituto Galileo Galilei para a educação (www.igge.org.br) no qual consta um estudo referencial relacionado ao conceito geral estruturador de Ciberarquitetura (CARVALHO NETO, 2006) do qual emergem as tecnologias das Salas Inteligentes e Aula Inteligente.

Um documento mais elaborado e completo, pode ser obtido neste acesso: ESCOLA INTELIGENTE REFERENCIAL TEÓRICO

Ciberarquitetura e Salas Inteligentes

Contando com o apoio de patrocinadores e voluntários e tendo como destaque a empresa Intelligent Table, de São Paulo, especializada em mobiliário corporativo, foram desenvolvidos modelos para as chamadas Estações Inteligentes e Estação do Professor. A integração de muitos dos espaços escolares em um único ambiente Ciberarquitetônico oferece inúmeras vantagens educacionais, pedagógicas, tecnológicas e econômicas. As Salas Inteligentes foram concebidas para propiciar avanços nos processos pedagógicos favorecidos pela convergência de mídias analógicas e digitais integradas pela ciberarquitetura.

O processo histórico referente ao desenvolvimento de ambientes escolares é respeitado nas Salas Inteligentes, mas oferece uma mudança significativa de paradigma aos modelos tradicionalmente empregados já que integra diferentes ambientes e espaços da escola em um único local. A sala de aula, o laboratório de informática e o de ciências, a sala multimídia e de arte, a biblioteca e outras dependências da escola são integradas nas Salas Inteligentes. Dentre os benefícios deste modelo está a eliminação da fragmentação dos processos pedagógicos que, nos modelos tradicionais escolares, acontece em locais diferentes em tempos diferentes. Nas Salas Inteligentes tudo acontece ao mesmo tempo e no mesmo lugar.

14
Sala Inteligente, modelo 2007.

Ref.: CARVALHO NETO, C. Z. (2006) com Donizetti Pontim, pela Intelligent Table.

Em 2009 o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), instituição onde foram iniciadas as primeiras pesquisas sistemáticas relacionadas à Ciberarquitetura (CARVALHO NETO, 2006), implementou sua primeira Sala Inteligente, sob a Coordenação do Prof. Dr. José Silvério Edmundo Germano.  Abaixo podem ser conhecidas duas tomadas de imagens da Sala Inteligente do ITA, atualmente utilizada com fins de pesquisa em Educação Científica e Tecnológica e Digital e para aulas do Centro de Ciências Fundamentais.15

Sala Inteligente ITA, plano geral.16

Sala Inteligente ITA, perspectiva do professor (Dr. José Silvério Edmundo Germano).17

Sala Inteligente ITA: perspectiva dos usuários.

https://www.youtube.com/watch?v=lddDVoojyaU

https://www.youtube.com/watch?v=i2-EQ9CL5MQ

Acompanhe a seguir a montagem de uma estação Inteligente e uma estação do professor, utilizada nas Salas Inteligentes.

Crédito: CARVALHO NETO, C. Z. (2005) com www.intelligenttable.com.br 

Abaixo, resenha da obra ‘Por uma escola inteligente‘.

Por uma Escola inteligente, de Cassiano Zeferino de Carvalho Neto, IGGE, São Paulo, 2005, 128 pp.

Interesante texto que analiza el derrotero de la educación en Brasil en las últimas décadas, destacando las características del proceso de enseñanza-aprendizaje desde los años sesenta en adelante, hasta llegar al 2005. El autor parte con el esquema descriptivo de la educación de los años previos a la presencia de las TIC, enfatizando en los puntos críticos del sistema tales como la memorización, el Norte en el profesor como núcleo del saber, la excesiva teorización, los criterios de calidad de la misma y el aumento impresionante de alumnos en el sistema. Hasta llegar a la inserción de modelos educacionales computacionales en la educación pero sin una adecuada preocupación por satisfacer las demandas sociales y formativas contemporáneas. Por ello, el autor presenta y sugiere la conveniencia de insertar un Modelo de Escuela Inteligente que centrada en los requerimientos sociales, humanistas y operacionales, y con recursos y estructuras administrativas y de aula computacionales esencialmente digitales, pueda lograr el traspaso y/o creación colectiva de conocimiento con una perspectiva político-tecnológica que apoyada con un criterio de mediación social y de una fuerte valoración del trabajo en equipo, pueda orientar el proceso educativo de enseñanza básica y media, a los requerimientos actuales. Para explicitar mejor su proyecto, Carvalho Neto aporta gráficos comparativos de los modelos tradicionales con el Modelo de la Escuela Inteligente. Llama la atención el hecho de que si bien el autor analiza la educación de los niveles mencionados, en relación a su país, es perfectamente comprensible que la realidad educacional analizad es posible de extrapolar a muchos de otros países de América.

Reseña: Zenobio Saldivia Maldonado, Ph.D (UTEM/Chile)

Referências e Direitos Autorais

CARVALHO NETO, C. Z. Dissertação de Mestrado: “Espaços ciberarquitetônicos e a integração de mídias por meio de técnicas derivadas de tecnologias dedicadas à educação“. Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, 2006.

Para acessar o documento completo, clique no linkCARVALHO_NETO_C_Z_Mestrado_Dissertação_UFSC

CARVALHO NETO, C. Z. Sala Inteligente: patente depositada no INPI. Acesse mais informações. INPI, 2009.

Escola Pública 100% digital em 24 horas.

Escola Pública 100% digital em 24 horas.

Escola 100% digital em 24 horas

https://www.youtube.com/watch?v=OdLkD4-eiKs

Esta iniciativa do INSTITUTO GALILEO GALILEI PARA A EDUCAÇÃO, em parceria com a Laborciencia editora, o Instituto para a Formação Continuada em Educação e a CUBOZ tem por finalidade  propiciar a implementação de uma solução capaz de tornar as escolas públicas de um município 100% digitais e com operação pedagógica por gestão remota, em apenas 24 horas.

https://www.youtube.com/watch?v=AMymVImZLB0

A solução fornece Plataforma Digital para Gestão da Informação, Comunicação, Colaboração e Conhecimento (PDGIC3), associada a um Programa Intensivo de Formação Profissional Continuada (on-line) para Docentes, Especialistas, Coordenadores e Gestores. A SME contará com uma Plataforma-Mãe e cada escola da Rede Municipal de Educação com um Plataforma-filha, todas 100% digitais.

O desvinculamento da ferramenta (plataforma digital) do processo de formação continuada de docentes, especialistas e gestores tem demonstrado se constituir em sério equívoco estratégico e tático, conforme comprovam inúmeras pesquisas de âmbito acadêmico“. (Prof. Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto).

Todo este processo está fundamentado em conhecimento de base científica lastreado pelo Modelo Teórico-Tecnológico da Educação 4.0 (Digital)*. (Vide referência ao final).

Como funciona?

A Secretaria Municipal de Educação (SME) situa o escopo da iniciativa (quantidade de profissionais e estudantes participantes e número de escolas), juntamente com o Instituto Galileo Galilei para a Educação (IGGE). A partir daí se define um Plano de Ação (Pact), constituído pelos passos de execução abaixo identificados:

Passo 1 – É construído um Projeto Executivo (Projex) completo que ao ser validado se constituirá em objeto para compor o edital público de contratação .

Passo 2 – Formalizada a contratação e emitida a (s) nota (s) de empenho é definido um Planejamento Executivo (PEx) em comum acordo com a SME.

Passo 3: Inicia-se o Setup (STP) das Plataformas Digitais (PDGIC3) e o Programa Intensivo de Formação Profissional. Fundamentado no PEx a implementação da solução vai se consolidando até o ponto em que a equipe está preparada para realizar a gestão pedagógica remota completa.

Passo 4: Supervisão do início da operação plena, realizada conjuntamente pela SME e o IGGE.

Conclusão do processo de implementação do modelo EDUCAÇÃO 4.0 DIGITAL*.

Saiba mais sobre este processo, com a apresentação do Professor Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto.

QUEM ASSINA A AUTORIA DESTA INICIATIVA?

https://www.youtube.com/watch?v=HrQuwc_rACU

CURRÍCULO INSTITUCIONAL1011

INOVAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA DE GESTORES E DOCENTES (2018 – 2019)

Instituto Federal do Maranhão (IFMA): projeto Laboratórios Inteligentes; formação de pesquisadores e docentes em Educação 4.0 (60 horas, híbrido).

Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de Santa Catarina (SINEPE/SC): programa de formação de gestores para atuarem em inovação na educação básica. (16 horas, presencial).

Escola de Engenharia de Lorena (USP): palestra ‘Educação 4.0: princípios e práticas de inovação em gestão e docência’, realizada em evento educacional anual promovido pela Universidade de São Paulo (USP).

Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI): evento pró-inovação na universidade. (08 horas, presencial).

Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL): início do programa de formação interna para docentes e especialistas, com vistas à preparação de equipes para suporte ao programa de pós-graduação em Educação 4.0 (IFCE/UNISUL). Carga horária total: 40 horas, em modelo híbrido.

Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA): realização do Programa de Formação Continuada Interna do ITA (ForCon ITA), com ênfase em Educação 4.0. Curso interno, em nível de pós-graduação e carga horária de 180 horas, em modalidade híbrida, como parte de execução do Projeto Inova ITA – Inovação na Educação em Engenharia, de autoria do Prof. Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto (Convênio pós-doutorado CAPES/ITA, 2017 a 2019).

Universidade de Blumenau (FURB): intervenções no programa de estudos pró-inovação institucional.

IES: UNIASSELVI e FAG: evento pró-inovação institucional. Palestra e Workshop (duração total: 16 horas).

SENAI – Diretoria Regional de Mato Grosso: participação em evento TEDx, com apresentação do caso ‘Educação 4.0’.

Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (SIEEESP) – Fórum de Inovação (FINEDU). Intervenção em formato de palestra.

SEBRAE/SC: Evento sobre Educação Empreendedora. Palestra: Educação Empreendedora 4.0.
SEBRAE Nacional: idem ao anterior.

Programa de Gestão da Inovação para o Município de Águas Mornas/SC: Duração total: 90 horas, em modalidade híbrida. Iniciativa realizada para o Instituto Galileo Galilei para a Educação (IGGE). Vide Certificado abaixo.12

 Palestra ‘Educação 4.0′ proferi para a Plenária do CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA/2019.13

 Contato

Simone Oliveira de Carvalho
Diretora Executiva
(48) 9 9906 1378 (WhatsApp)

E-mail: presidencia@igge.org.br

* CARVALHO NETO, C. Z. Educação 4.0: princípios e práticas de inovação em gestão e docência. Fundamentos teórico-tecnológicos. Santo Amaro da Imperatriz/SC: Laborciencia editora, 2018.

* Marca Registrada (Educação 4.0) perante o INPI. Consulte antes de utilizar.

Brasil, Educação 4.0

Brasil, Educação 4.0

Brasil, Educação 4.0

Instituto Galileo Galilei para a Educação (IGGE) é uma Organização Social, fundada na cidade de São Paulo/SP no ano de 1997, que tem por missão colaborar com a construção sociocultural-educacional-econômica brasileira que assegure a educação inclusiva, equitativa e de qualidade, e promova oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos os cidadãos” (UNESCO, ODS4)[1].

Dentre as instituições atendidas encontram-se o Ministério da Educação (MEC), o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Instituto Itaú/Unibanco, Universidades Federais Brasileiras, Estaduais e Privadas, escolas da Educação Básica/Tecnológica e empresas públicas e privadas. Por força estatutária e histórica a pauta institucional do IGGE inclui, invariavelmente, inovação continuada e sustentável em educação.

Estudos recentes, revelam que diferentemente das linhas que apontam para uma quase-falência da instituição educacional brasileira e seus escores fatídicos, representados por diversos indicadores nacionais e internacionais, o país conta com um alto potencial acadêmico represado nas escolas da educação superior, tecnológica e básica, porém desatualizado e desarticulado em torno de um eixo efetivo e eficaz de inovação educacional.

Ciente desse cenário e contando com evidências resultantes de pesquisas realizadas sobre o impacto positivo que o modelo de Educação 4.0[2] vem causando nas escolas da Educação Superior, Tecnológica e Básica, o IGGE passa a executar a iniciativa Brasil, Educação 4.02030 a qual tem por visão conduzir o Brasil para ser, até o ano de 2030, uma “Referência em Educação 4.0 para o mundo, um país que faz com excelência sua lição de casa.

Com a visão estratégica de criar uma base sustentável e continuada pró-inovação em educação no Brasil, o Instituto Galileo Galilei para a Educação iniciou a criação de uma Rede Nacional Pró-Inovação na Escola (Renapie4).

Com iniciativas variadas como palestras, minicursos, workshops, cursos de extensão universitária, pós-graduação (aperfeiçoamento profissional), especialização (ESP – lato sensu), Master Business Innovation (MBI) e Programas de Gestão da Inovação nas Escolas, as instituições abaixo identificadas já demonstram sua atenção efetiva para a dimensão da inovação em Educação 4.0.

[1] Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/ods4/. Acesso em 06/06/2019.

[2] CARVALHO NETO, C. Z. Educação 4.0: princípios e práticas de inovação em gestão e docência. Florianópolis: Laborciencia editora, 2019 (5ª edição). Disponível em livraria: https://inovae4.com.br/produto/livro-educacao-4-0/.

Contato

iggebr@gmail.com

presidencia@igge.org.br 

 

Física vivencial (MEC)

3

Instituto Galileo Galilei para a Educação concebe, planeja, realiza e supervisiona projetos socioeducacionais

Dentre os projetos realizados, destacam-se:

  1. Projeto Condigital (MCT/MEC/FNDE/IGGE) – Governo Federal do Brasil

Física vivencial: uma aventura do conhecimento (2007 – 2010)
Clique sobre a imagem abaixo para acessar o sistema.4

Conheça, a seguir, o histórico completo do Projeto ‘Física vivencial, uma aventura do conhecimento’. O depoimento foi concedido pelo Prof. Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto, autor do projeto, especialmente para o Instituto Galileo Galilei para a Educação (IGGE). Acesse o histórico completofísica_vivencial_histórico.

Em 2018 o Projeto Física vivencial, uma aventura do conhecimento, completará 40 anos.

1978

INÍCIO FORMAL DAS PESQUISAS EM EDUCAÇÃO

Em 1979, quando iniciei minha carreira como professor de Física, cursando o segundo ano da faculdade, atuava em cursos supletivos noturnos. Em pouco tempo comecei a me perguntar o que tinha a ver um ‘MRU’ (Movimento Retilíneo e Uniforme), com o cotidiano de um jovem que atuava como caixa em um banco, uma dona de casa, uma diarista encarregada de fazer serviços domésticos ou uma atendente de um balcão em uma loja de tecidos.

Esse era o perfil dos meus alunos e o quê fariam, afinal de contas, com a Equação de Clapeyron, as transformações entre escalas termométricas, a Segunda Lei de Newton e por aí afora? Algo estava estranho, nesta história!

Este contexto gerou em mim uma profunda inquietação que me levou a conceber dispositivos de muito baixo custo, tão simples quanto possível, que pudessem auxiliar uma abordagem mais bem contextualizada e problematizadora da Física. Era preciso, antes de ‘dar a teoria, principalmente em formato matemático’, levar os estudantes a se envolverem com situações desafiadoras que lhes permitissem ser os protagonistas de sua aprendizagem!

E foi assim, por tentativa e erro no início e paulatinamente com uma fundamentação teórica mais ampla que passei a criar (inventar) dispositivos que pudessem ser utilizados na sala de aula mesmo fazendo daquele espaço tão tradicional um local de pesquisa, onde teoria e prática, sujeito e objeto do conhecimento pudessem se encontrar em uma grande aventura.

Durante 11 anos (1978 a 1981) foi lentamente criando e concebendo abordagens com os dispositivos que criava e que por fim foram organizados em ‘kits’, aos quais chamei de ‘Bancos para Pesquisa em Física’, abrangendo as áreas de Mecânica, Óptica, Termologia, Eletricidade e Eletromagnetismo.

Em 1981, por conta da manufatura dos Bancos para Pesquisa em Óptica nasceria a Laborciencia Tecnologia Educacional, responsável não só pela produção dos equipamentos, mas por inúmeros programas de formação profissional continuada de professores e especialistas em ensino-aprendizagem da Física.

Abaixo apresento algumas fotos que ilustram o processo de desenvolvimento dos Bancos para Pesquisa em Física.

[1] CARVALHO NETO, C. Z. Bancos para pesquisa em Física. São Paulo: Laborciencia editora, 1989 – 20165

Em 2007 autorizei o pleno uso dos Bancos para Pesquisa em Física, para compor um conjunto de experimentos dedicados ao projeto Condigital promovido pelo Ministério da Educação (MEC), Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Fundo para o Desenvolvimento da Educação (FNDE) com execução do Instituto Galileo Galilei para a Educação (IGGE). Com esta iniciativa foi concebida e publicada a obra ‘Física Vivencial, uma aventura do conhecimento’, contemplando, em sua totalidade, mais de 2.000 objetos educacionais digitais.

Acompanhe a apresentação a seguir

https://www.youtube.com/watch?time_continue=2&v=rPDvzi4Mf5I&feature=emb_logo
.

O site oficial do projeto pode ser acessado, clicando-se diretamente no link abaixo.

FÍSICA VIVENCIAL – uma aventura do conhecimento

Utilize o campo de busca para digitar algum tema, assunto ou tópico de seu interesse, relacionado à Física. Os conteúdos atendem, aproximadamente, às últimas séries do ensino fundamental, a todo o ensino médio e tecnológico, permitindo ainda ampla utilização em programas de formação inicial ou continuada de professores de Física, Ciências e Matemática.4

Para obter o download (gratuito) de todos os objetos educacionais digitais desenvolvidos para a obra ‘Física Vivencial, uma aventura do conhecimento’, acessar: http://www.fisicavivencial.pro.br/fisica-vivencial

Assista todos os audiovisuais dramatúrgicos criados para o Projeto Física vivencial, uma aventura do conhecimento.

> Depoimento do autor, Prof. Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto.

Clique sobre a imagem abaixo.

Audiovisuais postados no canal Educação digital – Youtube 

01TV – ONDAS MECÂNICAS

02TV – MÚSICA É FÍSICA É CULTURA!

03TV – ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

04TV – A ELETRICIDADE NOSSA DE CADA DIA

05TV – CIRCUITOS ELÉTRICOS

06TV – O INVISÍVEL DA ELETRICIDADE

07TV – ELETROMAGNETISMO: ENTRE IMÃS E FIOS

08TV – FÍSICA E TECNOLOGIA DO ELETROMAGNETISMO

09TV – A ÓPTICA E A REFLEXÃO DA LUZ

10TV – FÍSICA E TECNOLOGIA DA ÓPTICA

11TV – GALILEO GALILEI: UMA NOVA FÍSICA E O MUNDO CONTEMPORÂNEO

12TV – MECÂNICA: A CIÊNCIA DOS MOVIMENTOS

13TV – TRABALHO, ENERGIA E POTÊNCIA MECÂNICA

14TV – MECÂNICA: PRINCÍPIOS E LEIS DE CONSERVAÇÃO

15TV – TERMODINÂMICA E TERMOLOGIA: VISÕES DA MATÉRIA E ENERGIA

16TV – CALORIMETRIA: ENTRE O LOCAL E O GLOBAL

17TV – TERMODINÂMICA: A DIFERENÇA QUE FAZ O CALOR

18TV – MASSA E ESPAÇO-TEMPO

19TV – RELATIVIDADE: MASSA E ENERGIA

20TV – ENERGIA NUCLEAR

21TV – FÍSICA QUÂNTICA

22TV – PROCESSOS DE MEDIDA DE GRANDEZAS

23TV – INSTRUMENTAL MATEMÁTICO PARA A FÍSICA

24TV – PARA QUE SERVEM AS FÉRIAS?

Créditos dos Audiovisuais postados

Obra: Física vivencial, uma aventura do conhecimento.

Realização: MEC/MCT/FNDE/IGGE (Projeto CONDIGITAL)

Autor: CARVALHO NETO C. Z. (www.carvalhonetocz.com)

Produção: Videologia

Apoio: ACP Cultural

Licença Creative Commons: Instituto Galileo Galilei para a Educação

Sugestões de visita:

1) www.fisicavivencial.pro.br

2) www.carvalhonetocz.com

Institucional

Institucional

INSTITUTO GALILEO GALILEI PARA A EDUCAÇÃO (IGGE)

CORPO DIRETIVO (Gestão 2018 – 2022)

Fundador – Presidente: Prof. Dr. Cassiano Zeferino de Carvalho Neto.

Diretora Executiva: Sra. Simone de Oliveira Silva de Carvalho

Diretora Educacional: Profa. Dra. Rita de Cassia Clark Teodoroski

Diretora Administrativa: Engª. Cristina Koerich

Objetivos institucionais

  • Promover movimentos sociais estimulando a cooperação de todos para obras e ações de natureza educacional.
  • Promover programas de aperfeiçoamento profissional livre estrictu sensu, destinados a docentes de todos os níveis de ensino, providenciando a concessão de bolsas de estudo, de acordo com regulamentação previamente definida pela instituição.
  • Promover ações tendo em vista a implementação de processos de qualidade continuada em instituições educacionais, formais e informais, atuantes em todos os níveis de ensino.
  • Promover programas nas escolas, e em redes de ensino, públicas e privadas, acolhendo gestores, educadores e estudantes, objetivando a implementação de tecnologias educacionais contemporâneas para o enfrentamento de problemas educacionais existentes.
  • Estimular a pesquisa, o desenvolvimento e a implementação de novas concepções, tecnologias e metodologias para a educação.
  • Estimular a pesquisa em Educação, cuidando para que os resultados oriundos da mesma alcancem seus públicos-alvos.
  • Estimular o desenvolvimento cognitivo e educacional de talentosos e superdotados em todos os níveis de ensino, promovendo concursos, certames e oferecendo estímulos à participação e a criação de trabalhos dedicados a Educação.
  • Promover e gerir programas educacionais voltados ao enriquecimento do ambiente cultural de comunidades carentes, através do acesso a modelos educacionais diferenciados.
  • Promover e gerir programas institucionais dedicados ao contínuo aprimoramento de processos educacionais, em instituições públicas e privadas, nacionais e internacionais.

PROGRAMAS INSTITUCIONAIS

Para a realização do objeto institucional o IGGE define, empreende, organiza e promove a gestão de um conjunto de Programas Institucionais Profissionais. Estes programas têm por público-alvo gestores, especialistas e educadores, em exercício profissional em instituições públicas e privadas, na educação básica e superior e estudantes de graduação, já atuantes no magistério em caráter de provisoriedade.

PROJETOS EDUCACIONAIS ESPECIAIS

O Instituto Galileo Galilei para a Educação concebe, planeja, executa e supervisiona projetos educacionais especias, levados a efeito com instituições públicas e privadas.

Editar

UMA IDEIA SOBRE “INSTITUCIONAL

  1. Giuliano Morandi Mendes

em 20 de outubro de 2012 às 15:29 disse:Editar

Caros coordenadores e professores!
Tenho a satisfação em poder contribuir com o projeto Condigital.
Atualmente estou utilizando a ferramenta desenvolvida por este programa em escola pública estadual no Paraná, munícipio de ideb e idh baixíssimo .
Já utilizava outras ferramentas disponíveis no Portal do Mec. Este é um assunto que tenho grande interesse e alguma experiencia com desenvolvimento de software matemático.
é uma ferramenta de importante suporte pedagógico.
Deixo aqui os parabéns e meu agradecimento para os coordenadores, pois talvez seja um dos pioneiros, em minha região, da aplicabilidade prática deste trabalho, e para toda a equipe do programa pelo excelente e árduo trabalho.
O trabalho desenvolvido está gerando frutos em um programa de pós graduação da UTFPR.

Galileo Galilei

Galileo Galilei

Galileo Galilei, o homem e a obra.

Apreender a personagem de Galileo Galilei em toda sua profundidade e extensão não é tarefa simples. Mesmo entre seus biógrafos existem conflitos e opiniões aparentemente irreconciliáveis. Talvez, justamente por isso, torna-se ainda mais enriquecedor olhar Galileo por diversos ângulos e nuances.

Conheça mais sobre a vida e obra de Galileo Galilei e o ‘Museo Galileo‘, clicando sobre as imagens a seguir.

1
Galileo Project

2